Defesa de Tese de Doutorado – Joceane Azolim

21/02/2024 09:47

No dia 08/02/2024, a pesquisadora Joceane Azolim realizou a defesa de sua tese de doutorado, intitulada “Avaliação da Biodegradabilidade em Lodo Ativado, Degradação Enzimática e Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) de Materiais Poliméricos Obtidos de Fontes Renováveis“, sob a orientação das professoras Dra. Cristiane da Costa e Dra. Camila Michels.

A seguir, apresentaremos o resumo desta pesquisa.

Resumo: “A crescente preocupação com os problemas ambientais relacionados aos polímeros derivados do petróleo, cuja origem é limitada, justifica o interesse gradativo no uso de polímeros obtidos de fontes renováveis. Estes materiais evidenciam-se por serem uma alternativa ambientalmente correta aos polímeros de procedência petroquímica. Muitos deles também apresentam propriedades que os tornam suscetíveis a ataques microbianos por meio do processo de biodegradação, resultando em um descarte seguro ao ambiente. Neste contexto, a utilização de testes de laboratório para medir a biodegradabilidade e a aplicação de metodologias de avaliação de desempenho ambiental de novos polímeros sintetizados é de imprescindível importância.

Dessa forma, o principal objetivo deste trabalho foi avaliar a biodegradabilidade em lodo ativado, a degradação enzimática e o ciclo de vida dos polímeros poli(diundec-10-enoato de dianidro-D-glucitila/1,4-butanoditiol) ou poli(DGU-BDT) (P1) e poli(1,3-propileno diundec-10-enoato/1,4-butanoditiol) ou poli(PDE-BDT) (P2) obtidos de fontes renováveis (amido e bioglicerol). Para tanto, utilizou-se o método respirométrico – sistema Oxitop, que mede a Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO), o teste de degradação enzimática por perda de massa e a metodologia de Avaliação do Ciclo de Vida (ACV), utilizando o software OpenLCA para quantificar os impactos e aspectos ambientais da produção destes materiais. Além disso, foram realizadas análises GPC, FTIR e DSC antes e após os ensaios de biodegradação, a fim de verificar suas propriedades, como massa molar, grupamentos químicos e comportamento térmico.

Os resultados do teste de biodegradabilidade em lodo ativado mostraram um baixo percentual de biodegradação, em torno de 13% para P1 e 4% para P2, em relação ao controle do procedimento (amido) que alcançou 79% e 64%. No entanto, o poli(PDE-BDT) foi considerado uma substância inibidora de biodegradação. Já os resultados do teste de degradação enzimática seguido de biodegradação mostraram um aumento do percentual em relação ao experimento inicial, alcançando 30% e 17%. Destaca-se que a degradação enzimática apresentou uma perda de massa considerável para P1 e P2, em torno de 32% e 12%, em relação ao meio PBS sem enzima que atingiu 0,5% e 1%. Os espectros de GPC, FTIR e GPC dos materiais também apresentaram significativas mudanças, principalmente o surgimento de novos grupamentos químicos.

Na ACV, as três categorias de impacto mais relevantes para P1 e P2 foram a ecotoxicidade terrestre, o aquecimento global e a toxicidade humana não carcinogênica que contribuem com os potenciais danos à litosfera, o aquecimento global e os possíveis danos à saúde humana. Já os aspectos ambientais de maior contribuição foram a eletricidade (79,3- 97,4% e 78,80-98,40%), o monômero DGU e PDE (2,38-20,4% e 1,18-20%), o 1,4- butanoditiol (0,06-0,38% e 0,11-0,71%). Por fim, na comparação entre os materiais, o P2 apresentou menores impactos em todas nas categorias de impactos avaliadas, garantido uma produção mais sustentável em relação ao P1”.

Parabéns à pesquisadora Joceane Azolim pela bem-sucedida defesa de sua tese de doutorado!

Um reconhecimento especial também à equipe de orientação, pelo apoio e orientação dedicados ao longo deste processo.